Sempre tive o que eu chamava de “sensibilidade” ao leite, e lembro que me fazia mal principalmente se eu tomasse leite pela manhã, ou comesse qualquer coisa com leite nesse período. Sempre tive MUITA dor de cabeça, frequente e muito forte, imunidade baixa,  muitas aftas e algumas das ites (rinite, amigalite, sinusite). Fiz alguns exames mas nunca um específico para intolerância ou alergias alimentares.

Depois de descobrir a intolerância alta a lactose e leve ao glúten, já havia tomado as devidas medidas e estava com a alimentação bem adequada às minhas restrições. Estava tudo funcionando lindamente bem por aqui, até que comecei a consumir muitas coisas de soja. Fiquei feliz por ter encontrado iogurtes, chocolates, recentemente requeijão, cream cheese, e várias outras coisas, mas no fim, elas também acabaram me fazendo mal. Porque? Porque sou azarada. (hihi, brincadeira)

Vamos do começo das minhas desconfianças com a soja: Comprei um picolé de soja em Curitiba e almocei um restaurante vegetariano, e obviamente, comi coisas de soja. Me deu uma dor de cabeça infernal e eu comecei a lembrar o que eu tinha comido com leite. Nada. (Pensei logo isso porque, quando cortei a lactose as dores de cabeça magicamente sumiram).

Não quis cogitar a ideia de ter passado mal com a soja. Já tinha lido algumas coisas sobre os perigos do consumo em excesso, mas nada muito aprofundado. Porém, desde que comecei a consumir produtos de soja diariamente, os desconfortos abdominais e dores de cabeça voltaram. Então, ontem li um artigo no blog Tô Funcional, da Amábile Kolenda (uma querida) e me ligou o alerta vermelho. Fui hoje na nutri e confirmei o que não queria: uma boa porcentagem (90% em média) dos intolerantes a lactose acabam desenvolvendo sensibilidade a soja. O que é meu caso, claro.

Ou seja, a gente foge pra soja porque é mais fácil, mais cômodo e tem um monte de opção, mas acaba se intoxicando sem saber. Aí come, passa mal e fica tentando achar qualquer coisa que comeu e que possa ter leite na composição pra pôr a culpa. Eu sei gente, passei por isso.

Então, o que fazer no meu caso: consumir a cada 15 dias ou uma vez por semana no máximo, dependendo da reação do meu organismo. E uma detox pra dar um help.

Gente, eu não tô falando pra ninguém deixar de consumir, isso vai da orientação e reação de cada um. Há muitos intolerantes que se dão bem com a soja. Esse é o meu caso, ok?!

Eu sei que há quem vá dizer: meu Deus, mas também ficam caçando doença. Já ouvi isso antes. Mas gente, pensa cá comigo… Esse é o único corpo que eu tenho pra morar, então vou cuidar bem dele né? Quero morar bem!

Um tiquinho do artigo, só pra aguçar sua curiosidade

“Hoje em dia existe uma verdadeira febre de consumo de soja. Propagada como um alimento rico em proteí­nas, baixo em calorias, carboidratos e gorduras, sem colesterol, rico em vitaminas, de fácil digestão, um ingrediente saboroso e versátil na culinária, a soja, na verdade é mais um “conto do vigário” do qual a maioria é ví­tima.”

Clique aqui para ler o artigo no blog Tô Funcional

tenha cuidado com o seu corpo