Algumas pessoas tem vindo me perguntar o que é a intolerância a lactose, quais os sintomas e como eu descobri que tenho. Como tenho observado um número crescente de pessoas sendo diagnosticadas com intolerância, acho que é legal alertar tanto para os que descobriram agora e estão naquela fase de “perdido”, quanto para os que sentem alguns sintomas e não sabem o que pode ser.

O que é a intolerância a lactose?

Primeiro, vamos saber o que é a lactose: é o açúcar do leite. A intolerância é a incapacidade de digerir a lactose por insuficiência de enzimas digestivas, a lactase. Esse tipo de intolerância é bem comum, e há pesquisas que apontam cerca de 70% dos brasileiros adultos têm intolerância a lactose, e muitos nem sabem.

A intolerância a lactose pode ter duas origens:

– Congênita: acontece logo após o nascimento;
– E a intolerância pela baixa produção da enzima lactase, que pode acontecer por lesões no intestino, cirurgias, ingestão de muitos medicamentos, e pelo envelhecimento.
Sem a lactase é impossível fazer a quebra da lactose em galactose e glucose, e aí, ela não tem como cair na corrente sanguínea se transformar em energia. Olha essa explicação:
“A absorção dos alimentos acontece no nosso intestino, certo? E a camada superficial dele é composta um tipo de célula epitelial chamada ENTERÓCITO. Essas células (como todas as outras) possuem permeabilidade seletiva (escolha e permissão que a membrana da célula tem sobre o que entra e sai da célula), não liberando a entrada de nada na célula se não houver receptores destinados a recebê-lo… E o enterócito NÃO TEM RECEPTOR PRA LACTOSE, cat! Só pra glicose…” (Fragmento do post sobre intolerância a lactose, no blog Acredita Bonita)

lactose-intestino

Ou seja, se o intestino não absorve, a lactose fica lá, fermentando e se acumulando, e como bem frisou a Penélope no post acima citado (e que vale MUITO a leitura), também serve de alimento para as bactérias ruins do nosso intestino, e ainda enfraquece as bactérias boas.

Sintomas da intolerância a lactose:

Os sintomas são bem chatinhos e algumas vezes podem ser confundidos com outras doenças:
– Dor/Cólica intestinal
– Inchaço abdominal
– Gases
– Diarréia
– Irritação Intestinal
– Náuseas
– Dores de cabeça

intolerancia a lactose - infografico

Tem tratamento para intolerância a lactose?

O único tratamento é a remoção do leite e derivados de leite da dieta. Algumas pessoas, com grau de intolerância baixo, ainda conseguem ingerir uma quantidade pequena de leite sem passar mal, porém, o ideal é que o alimento seja cortado dos hábitos alimentares.
Como eu descobri:
Durante uma crise de estresse eu senti todos os sintomas de uma vez. Imunidade baixa, amidalite, desconforto abdominal, dores de cabeça… tudo junto, por duas semanas. Depois disso, o intestino passou a alternar entre uma semana funcionando (até demais) e uma sem sinal de vida. Depois de quase 2 meses assim, procurei um gastro. Ele me pediu exame de sangue oculto e me diagnosticou com síndrome do intestino irritável (SII)Resolvi procurar uma nutricionista para adequar minha alimentação a essa nova realidade e, depois de alguns exames mais específicos, ela diagnosticou a intolerância alta a lactose e leve ao glúten. Mas, não foi assim da noite para o dia por conta de uma crise.
Desde pequena tenho enxaquecas – fiz alguns exames e nada. Nenhum para investigar alergias e intolerância. Então, aprendi a conviver com a dor. Era frequente, forte e persistente.
Intestino pra mim era luxo. Até há algum tempo eu mal lembrava que ele existia. Imunidade baixa, sempre tive muitas aftas e além delas, as “ites” também atacavam: renite, sinusite e amidalite. Fiz tratamento para imunidade, fiz teste para doença auto-imune e na última consulta com infectologista (encaminhamento do gastro), ela queria que eu fizesse um tratamento com corticoide, só que não né?! Nem pensar mesmo! E na verdade foi aí que eu procurei a nutri.
Dela, fui encaminhada para nutróloga que quase me deixou sem sangue de tantos exames. Mas, era necessário pra fechar o diagnóstico, já que ela suspeitava de alergia a proteína do leite, e não só de intolerância. O teste deu negativo, grazaDeus!
E foi assim, depois de uma saga de consultas, exames, aprendi a não reclamar de pagar plano de saúde, o diagnóstico foi fechado e então, iniciei a dietoterapia. Cortei os lácteos, com exceção de iogurtes e leites fermentados que consegui ingerir por algum tempo. Mas como alegria de pobre dura pouco e a intolerância é severa, foi por pouco tempo mesmo. Começou a me fazer mal e tive de cortar também.
O exame também apontou intolerância leve ao gluten, então, eu ainda posso comer mas sem abuso. Geralmente alterno entre pães integrais com farinha de trigo mesmo, bolachinhas ou alimentos com farinha de arroz, e tapioca. Quando mudamos nossa alimentação para o jeito certo (do nosso organismo), aos poucos, o corpo e a mente passam a recusar o alimento que faz mal naturalmente e a gente aprender a gostar dos nossos alimentos. Daqueles que precisamo adaptar, e que é claro, não vai ter o mesmo gosto do que comíamos antes. Mas tem mais saúde, e no fim.. é o que importa.

Leia também: Intolerância atinge até 70% dos adultos brasileiros